comunicacao@ctazm.org.br

Saúde é o maior benefício da Agroecologia

Com muita luta e sofrimento os pais de Maria Nadir Lopes Martins trabalharam em São Paulo. Com o salário do pai, que trabalhava em uma fábrica de sapatos, e o da mãe, que trabalhava em uma casa de família, conseguiram juntar o dinheiro para comprar o terreno em Araponga, Minas Gerais. Inclusive, foi com os pais que ela aprendeu a amar a terra.

Nadir se casou aos 26 anos e foi morar na zona rural de Araponga, na comunidade de São Joaquim. Ela e o marido começaram a vida juntos criando galinhas, porcos e cabritos. Além de também produzirem arroz, milho, café e hortaliças.

Apesar de ainda não conhecerem a palavra agroecologia, já tinham a consciência de que agrotóxicos faziam mal, e que não deveriam utilizá-los. Foi com os pais que ela obteve essa consciência agroecológica. Estes, sempre foram conscientes de que o uso de agrotóxicos fazia mal à saúde. Apesar de usarem o fogo para o roçado (técnica comum no meio rural), sempre trataram a terra com o devido respeito. Além do conhecimento adquirido através dos pais, ela também aprendeu muito ao participar dos grupos de reflexão da CEBs (Comunidades Eclesiais de Base). Lá havia sempre explicações sobre o veneno e agricultura de um modo geral.

Em 1988 Nadir fez parte de um momento histórico em sua cidade: ajudou a fundar o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Araponga. Sua motivação era clara: o Parque Estadual da Serra do Brigadeiro estava sendo criado e alguns moradores da região temiam serem expulsos de suas terras. Sem a mobilização do povo esta história poderia ter tido outro fim.

Ativa no meio sindical, já foi delegada do Órgão, o representando em espaços públicos, congressos e viagens.

Ainda nos anos 80 as mulheres começaram a se organizar no Centro Comunitário de Praia D’anta, e Nadir estava junto nesta mais nova empreitada. A ideia era conversarem sobre a vida que levavam, economia doméstica e outros temas.

Em um encontro de mulheres da CEBs, conheceram Eugênio Ferrari, um dos fundadores do Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata, o CTA. Os estudantes ligados ao CTA traziam novos pensamentos, uma agricultura diferenciada, alternativa ao modelo vigente da época.

O CTA deu força aos agricultores da região para que continuassem com a produção orgânica e 20 anos depois a propriedade de Nadir é um exemplo em agroecologia. Prezando pela diversidade de espécies, é possível encontrar lavoura de banana, milho, cana de açúcar, feijão, café, mandioca, soja, mamão, laranja, manga, goiaba, pêssego, acerola, maracujá, ameixa, limão e pitanga. Também cultiva horta, extremamente diversificada, com couve, tomatinho, alface, cenoura, beterraba e alho. Além da diversificação de espécies produzidas na propriedade, a família de Nadir também preserva uma nascente de água que foi cercada e protegida.

Sobre a vida agroecológica e seus benefícios, a trabalhadora rural disse: “O maior benefício da agroecologia é a saúde, aqueles que usam veneno estão pedindo para morrer”. Mas nem tudo são flores: Nadir encontra dificuldade em seus vizinhos que, por não terem conhecimento dos riscos de agrotóxicos, os utilizam indiscriminadamente, contaminando até as propriedades em seus arredores.

A maior parte da renda da família de Nadir ainda é proveniente do café, porém a diversificação de sua plantação garante renda o ano todo. A produção além do café deu à família a independência das grandes lavouras. “A agroecologia representa vida, nos vivemos dela, precisamos dela e gostamos de produzir assim ao natural!”

E o amor pela terra passa de geração em geração: os filhos de Nadir estudam na Escola Família Agrícola (EFA) e têm aplicado os conhecimentos adquiridos na propriedade. "Muitas técnicas nós já fazíamos antes de saber que elas existiam".

Além de cuidar de sua propriedade, Nadir ainda faz artesanatos como crochê, tricô, fuxico. Seus produtos são comercializados, trazendo uma renda adicional ao orçamento familiar.

Onde Estamos


CTA - Zona da Mata

Sítio Alfa - Violeira - Zona Rural

Caixa Postal 128

CEP: 36.570-000

Viçosa-MG

TelFax: (0xx31) 3892-2000